quarta-feira, janeiro 23, 2008

DEZ RÉIS DE ESPERANÇA

quarta-feira, janeiro 23, 2008

Se não fosse esta certeza
que nem sei de onde me vem,
não comia, nem bebia,
nem falava com ninguém.
Acocorava-me a um canto,
no mais escuro que houvesse,
punha os joelhos á boca
e viesse o que viesse.
Não fossem os olhos grandes
do ingénuo adolescente,
a chuva das penas brancas
a cair impertinente,
aquele incógnito rosto,
pintado em tons de aguarela,
que sonha no frio encosto
da vidraça da janela,
não fosse a imensa piedade
dos homens que não cresceram,
que ouviram, viram, ouviram,
viram, e não perceberam,
essas máscaras selectas,
antologia do espanto,
flores sem caule, flutuando
no pranto do desencanto,
se não fosse a fome e a sede
dessa humanidade exangue,
roía as unhas e os dedos
até os fazer em sangue.
António Gedeão

2 comentários:

smpc83 disse...

Desconhecia este poema, mas até que é muito giro.
beijinhos

Evelyne Furtado disse...

Que bom ter conhecido Antonio Gedeão, menina. E gostei muito.
Bjks