domingo, fevereiro 11, 2007

NOVAS RECORDAÇÕES...

domingo, fevereiro 11, 2007


Engraçado quando ao nos recordarmos de umas coisas acabamos por nos recordar de outras. Assim foi, ao lembrar no post anterior, de como se ouvia muita rádio, nessa altura. Televisão ainda não havia, eu tinha quatro anos, quando ela apareceu e como devem calcular só as pessoas endinheiradas e os cafés e poucos restaurantes é que tinham televisão. De maneira que quando se queria ver televisão ia todo a agente para o café à noite. Lembro-me muito bem de ir ao colo do meu pai toda contente para ir ver televisão, mas quando regressava o sono era maior do que eu e já vinha a dormir. Mas ao princípio não era grande costume ir todos os dias ao café, por isso ouvia-se rádio, muito rádio. Sabia-se os cantores da moda, não esquecer que quase não se ouvia música estrangeira, só se começou a ouvir mais música lá de fora depos do 25 de Abril, mas continuando, sabia-se também quem era o rei e a rainha da rádio naquele ano. O programa dos Parodiantes de Lisboa, que dava sempre entre a uma e as duas da tarde era sagrado, havia muito pouca gente que não o ouvia. As radionovelas que se estendiam meses seguidos e não havia nenhuma criada que não a ouvisse na casa da patroa. Às vezes até a patroa ouvia. Faziam-se concursos, promovidos pela a antiga Emissora Nacional, que oferecia bilhetes para se poder vê-los no sábado de manhã, concursos esses que muitas vezes saíram de lá grandes nomes da canção portuguesa. Enfim uma panóplia de programas que faziam as pessoas, assim que chegavam a casa, abrir a telefonia. Sim porque naquela altura não se dizia rádio dizia-se telefonia. Não me esqueço de alguns nomes desse tempo: António Calvário, Madalena Iglésias, Simone de Oliveira, Tony de Matos, Maria Clara, Maria de Lurdes Resende, Paula Ribas, e tantos outros nomes que não dá para pôr agora aqui senão não páro....

Ao domingo então era uma festa para os homens, as mulheres é que não achavam muita piada, era dia de bola e lá estavam todos coladinhos ao rádio para ouvirem o desafio. E elas tinham de ficar em casa não podiam sair porque os respectivos maridos eram ouvintes atentos ao joguinho da telefonia. E então se os clubes deles ganhavam era mais uma festa, se perdiam era bebedeira na certa. E aqui vai um cheirinho de como se vivia há cinquenta anos atrás.

Amanhã conto mais...

4 comentários:

Capitão-Mor disse...

Já não sou do tempo das rádionovelas, mas a minha conta-me que faziam bastante sucesso. Mas lembro-me bem que as emissões televisivas das competições europeias eram escassas e eu entretinha-me em casa a ouvir os relatos do Sporting. No tempo em que as várias taças europeias ainda se jogavam todas à 4feira...
Uma boa semana para ti!

cris disse...

Ahhh querida, que delicia recordar coisas boas, não peguei o tempo de telenovelas, mas sinto falta de ver antigos programas de televisão que marcaram minha infância. Beijão e uma linda semana!

Rubina disse...

Não sou do tempo que descreves, mas que este texto me apertou o coração, e me deu saudades de Lisboa isso deu...Snifffff, ai que saudades...Fiz a sopa de tomate. Ficou uma delícia :)

pinky disse...

xiiii q grande viagem no tempo! vou ficar á espera de mais histórias.