segunda-feira, novembro 12, 2007

AMOR VIOLENTO....

segunda-feira, novembro 12, 2007

Já não me lembrava de um acontecimento que se passou aqui há uns anos, mais precisamente há cerca de 10 anos, quando a minha filha mais nova andava na escola. Na altura andava no quinto ou sexto ano, quando ela me chegou a casa muito chorosa a contar que um coleguinha lhe batia e já não era a primeira vez. Claro que fui falar com a directora de turma um pouco receosa pois não queria que me chamassem de racista, pois o miúdo era preto, e que ficou em resolver o problema. Acho que ela chegou a falar com o miúdo e por uns dias a coisa ficou mais ou menos, mas foi só realmente por uns dias porque logo a seguir o miúdo tornou a fazer o mesmo. Aqui já não achei muita piada e fui outra vez falar com a directora de turma e ela disse-me que já não era a primeira queixa que ela tinha do mesmo miúdo e aí acho que ela foi falar com o pai do rapaz. Mas entretanto, eu falei com ele e perguntei-lhe porque batia na minha filha e ao que ele respondeu que gostava muito dela. Lá falei com ele e lhe disse quando se gosta de uma pessoa não se bate. Ele encolheu os ombros e a conversa ficou por ali. Resumindo: foi um problema para a filhota ir para a escola naquele ano e ainda hoje ela me diz que eu nem sei o sacrifício que ela fez para ir para a escola, o que eu deduzo hoje que ela ficou bem marcada nesse ano. E isto tudo porque está a suceder com a neta precisamente a mesma coisa. Só que na escola primária e também com um miúdo preto. E também a minha filha perguntou a um colega dele porque é que o menino batia na filha e ele disse que era porque ele gostava dela e ela nem sequer tinha lido a carta que ele lhe mandou. Beeemm, quando a minha filha me contou isto eu desatei a rir é que eles só têm sete anos. Só que agora estamos outra vez na mesma, a miúda não quer ir para a escola e logo de manhã diz que lhe dói o braço ou dói-lhe a barriga e aqui ficamos sem saber se é dor mesmo ou se é para não ir à escola, presumimos que é a segunda opção, mas não descuramos o resto, pois nunca se sabe. E aqui a questão, será que eles acham que batendo elas gostam deles? É que não são adultos, são crianças.

5 comentários:

Capitão-Mor disse...

Bom, eu também tinha essas "dores de barriga"! Mas era preguiça mesmo...

Rubina disse...

Se calhar veem os pais a porrada em casa e pensam que isso e uma forma de se dizer que se gosta. Vai-se la entender...

smpc83 disse...

As crianças são assim, tanto faz estarem bem como de repente andarem á pancada.
Eu também tenho algumas recordações más, identicas a essas.

pinky disse...

imagino o trauma da filha! não deve ter sido nada fácil aguentar esse ano! e cheira-me que o rapaz mais não fazia que demonstrar o seu amor da mesma forma como via o pai fazer...

Maríita disse...

Pois eu tive uma cena parecida, tinha 4 anos, mas quando eu acabei de lhe provar o quanto eu gostava dele, ele deixou de me falar e a minha mãe foi chamada à directora. Afinal, bater com cordas e atirar pedras eram umas manifestações pesadas de amor. Seja como for, fiz a escola toda sem mais declarações amorosas desse tipo.

Beijinhos e boa sorte!